Notícias da Meia

Meia do sol: resistência feminina nas corridas de rua

Carioca e potiguar compartilham os benefícios da modalidade e a rotina de treino para correr 21km

Já imaginou proibirem a participação das mulheres nas maratonas? Certamente, o impacto seria grande e as provas vazias. Por isso, não é fácil imaginar essa situação hoje com todo o peso feminino na sociedade. Mas, há menos de 50 anos, as mulheres eram proibidas de participarem da principal maratona do país. Devido ao machismo, a mais tradicional corrida de rua brasileira, que acontece desde 1925, era restrita somente ao público masculino e apenas em 1975, a primeira mulher pôde largar nas pistas e gerar representação.

Agora, já não há tanta diferença de gênero no público das provas. As mulheres, demonstrando a garra que possuem, disparam nas corridas de rua, algumas em busca dos benefícios como emagrecer, melhorar a autoestima e cuidar da saúde mental, outras para encontrar com os amigos e ultrapassar recordes pessoais. Há ainda aquelas que unem todos esses pontos como incentivo diário para manter o foco nos treinos.

Na corrida, fazem caminhos em que alcançam objetivos e provam para si que são mais capazes. “Nunca fui muito fã de esportes, me considerava sedentária. Mas, em 2012, a corrida chegou e mudou completamente a minha vida”, relata a farmacêutica carioca Juliana César, 31 anos. Ela começou a correr por influência do esposo e hoje é completamente apaixonada pela corrida. Em uma das redes sociais, Juliana César estampa o amor pela modalidade desde o nome de usurária “@corre_ju”, até as fotos de treinos e competições.

Após disparar nas pistas, muitas mudanças positivas foram acontecendo na vida da corredora. “Treino há cinco anos e vivenciei vários efeitos sanfonas no meu peso, pois passava um longo período sem treinar e não conseguia preservar os resultados. Mas, somente no último ano, depois de entrar para uma assessoria esportiva e encarar com seriedade os treinos, emagreci 15kg, o que me deixou com uma melhor qualidade de vida”, explica.

Além disso, ela sinaliza os grupos de corrida como um excelente local para fazer novas amizades. “Conheci muita gente e por estarmos em busca dos mesmos objetivos ao quebrar barreiras, a relação fica mais agradável e os treinos mais animados”, comenta.

Para manter os resultados, Juliana costuma treinar de duas a três vezes por semana. “No geral, procuro adequar meus treinos às provas mais próximas que vou participar. Por exemplo, quando é uma corrida com muitas subidas, costumo fazer treinos em ladeira ou rampas. Quando estou treinando para uma meia maratona, costumo optar por treinos mais longos”, explica.

Ela ressalta que além do diferencial de participar de uma assessoria de corrida, é um estímulo a mais para realizar outras atividades de fortalecimento muscular, como treinos funcionais ou musculação, para garantir bom desempenho e resistência.

A carioca já correu em maratonas como a W21K em São Paulo, a Meia Maratona Internacional de Florianópolis, a Meia Maratona Internacional do Rio de Janeiro e a WTR em Arraial do Cabo. “Hoje, ainda não penso em fazer uma Maratona, pois além do preparo físico tem o psicológico, que é o que mais conta nesse tipo de corrida. Mas, aos poucos, um dia posso conseguir”, relata.

Juliana conta que ela e o esposo, que costumam pesquisar provas pelo Brasil, encontraram a Meia do Sol no ano passado e ficaram com muita vontade de se inscrever. A menos de um mês da prova, Juliana está em contagem regressiva até nas redes sociais para pisar em solo potiguar e ultrapassar a linha de chegada. “Por ser uma cidade que amamos, com um visual maravilhoso e uma corrida diferente, estamos muito empolgados”, comenta Juliana que vem acompanhada do esposo que também irá participar da prova no percurso oficial.

Para a potiguar Cláudia Meyre, correr é um dos melhores momentos do dia. A funcionária pública de 38 anos conheceu a corrida através do grupo para iniciantes na academia que frequentava e diz que foi amor à primeira vista.

“Na corrida, fiz várias amizades verdadeiras e descobri um esporte que realmente amo fazer, além dos benefícios como enxugar as gordurinhas”, comenta.

Cláudia treina há aproximadamente cinco anos. Mantendo um ritmo de três vezes por semana, consegue enxergar diversas melhorias na saúde. “Minha preparação é com treinos de tiros, longos e regenerativos. Sempre treino na Via Costeira com as amigas e, para mim, é também um lazer, além de esporte”.

Cláudia já competiu algumas maratonas, inicialmente nos 10km, como a Meia Maratona do Sol, Meia Maratona do Rio de Janeiro e a Meia Maratona de Florianópolis. A potiguar já participou de grupos de assessoria de corrida, mas hoje prepara suas próprias tabelas e planilhas de treino e mantém o ritmo para correr 21km e fazer bonito em casa.

Prova

Consolidada como uma das mais importantes do país, a Meia do Sol movimentará a capital potiguar e, diferente dos anos anteriores, quando a prova era realizada no mês de novembro, a edição atual acontecerá dois meses antes, no dia 15 de setembro.

Elaborada de acordo com as normas técnicas estabelecidas pela Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), a competição também cumpre com as normas de segurança estabelecidas pelo Corpo de Bombeiros e CREA.

Inscrições

A prova, com largada às 16h e chegada na Arena das Dunas, segue com inscrições até o dia 26 de agosto, no valor de R$ 120, exclusivamente pelo site www.meiadosol.com.br. A Meia Maratona do Sol é uma realização da TRIBUNA DO NORTE, com produção da HC Sports, empresa responsável por organizar os principais eventos esportivos do Rio Grande do Norte. A corrida conta com patrocínio máster da Caixa Econômica Federal.

Serviço
Meia Maratona do Sol
Data: 15 de setembro de 2018 – sábado
Hora: 16h
Largada: Arena das Dunas, Natal/RN
Inscrições até 26 de agosto: www.meiadosol.com.br

Realização

Apoio

Promoção

Rádio Oficial

Ação Social

CHANCELA